Elas foram chegando timidamente, como uma alternativa de investimento voltada apenas para aqueles muito ousados, parecendo coisa de filme futurista e assustando muita gente quando, de repente, a mais famosa delas passou a valer algumas dezenas de dólares. Mas então, elas foram ficando, mais pessoas foram ouvindo sobre elas, se interessando, e agora, aos poucos, o universo delas vai se tornando mais e mais presente em nossas vidas.

Estamos falando, é claro, das criptomoedas. Afinal, quem nunca ouviu falar de bitcoin não é mesmo? E elas não apenas estão mais próximas de nós, mas nós também estamos mais próximos delas, interessados - cada vez mais - em investir nelas, procurando aquelas criptomoedas que ainda custam baratinho mas que futuramente possam se tornar um "bitcoin da vida" e assim fazer nossa fortuna.

E de fato, quanto mais pessoas se interessam por elas, mais potencial de crescimento elas têm. Por isso, resolvemos trazer aqui uma pequena lista com algumas das principais criptomoedas, além do Bitcoin, que aparentemente vêm crescendo e podem aparecer com mais força nos próximos meses. Vamos lá?

Crescimento que não para

O interesse cada vez maior despertado pelas criptomoedas é, de fato, justificável. Apenas para que você tenha uma ideia, ao longo de 2021, somadas, as principais criptomoedas por valor de mercado saltaram 200%, passando de US$ 800 bilhões para US$ 2,4 trilhões em dezembro. Na máxima do ano, porém, a capitalização chegou a superar a marca dos US$ 3 trilhões.

Natualmente o bitcoin contribui com a maior parte desse valor - cerca de 38% - com uma valorização de 160% nos últimos 12 meses. Mas não apenas ele. A Ethereum (ETH), que é conhecida como a "prata" das criptomoedas (porque o bitcoin é o "ouro"), teve um crescimento de 600% no mesmo período. Quer mais? Binance Coin (BNB) e Solana (SOL), chegaram a ter uma alta de 11.000%.

Mas será que continuará subindo?

É sempre muito difícil prever esse tipo de coisa, porém, a perspectiva, segundo os especialistas é muito positiva. Primeiro porque há esse interesse cada vez maior, como já dissemos acima, que deve contribuir para a valorização das criptomoedas. Segundo porque há lançamentos acontecendo a todo momento. Terceiro porque esse é um universo que está em constante renovação, com novidades e tendências surgindo.

Agora, no fim de 2021, por exemplo, os jogos NFTs (Non Fungible Tokens) vieram com toda força, ao ponto de ser tornarem, como nunca antes, uma febre entre os entusiastas das cripto, mas também entre aqueles que estão começando a investir em criptomoedas, servindo, em alguns casos, de porta de entrada para esse tipo de investimento.

É o caso de jogos como Bomb Crypto e o WorkerTown, por exemplo. E a tendência é que esses jogos, assim como as criptomoedas ligadas a eles, continuem crescendo no próximo ano.

Além disso, alguns especialistas apontam que esse pode ser até um ótimo momento para investir, considerando a instabilidade das moedas tradicionais dos países, ou seja, as criptomoedas como o bitcoin pode ser até uma boa proteção para os investidores. Considerando o longo prazo e o potencial de crescimento nos próximos anos, quem entrar agora pode ter um bom lucro.

Entretanto, sempre vale a pena lembrar que apesar desse otimismo nada é garantido e se as chances de valorização são muito grandes, os riscos também o são, na mesma proporção.

O que são os criptoativos, criptomoedas e tokens?

Mas antes de a gente partir para a nossa lista, é importante que a gente traga aqui a definição para cada um desses termos, pois apenas de eles serem usados como sinônimos, eles representam coisas diferentes. E todo aquele que está pensando entrar nesse universo precisa entender essas diferenças para saber o que esperar e como lidar com cada um desses ativos.

Criptoativos:

De acordo com a Receita Federal, um criptoativo é toda "a representação digital de valor, denominada em sua própria unidade de conta, cujo preço pode ser expresso em moeda soberana local ou estrangeira, transacionado eletronicamente com a utilização de criptografia e de tecnologias de registros distribuídos, que pode ser utilizado como forma de investimento, instrumento de transferência de valores ou acesso a serviços".

Ok, essa explicação é complexa, mas o que ela quer dizer é que um criptoativo é um ativo que tem uma utilidade específica em determinada plataforma. É o termo mais amplo, que engloba todos os outros, ou seja, uma criptomoeda, por exemplo, sempre é um criptoativo, mas nem todo criptoativo é uma criptomoeda, porque pode ser também um token, uma blockchain, etc.

Criptomoedas:

As criptomoedas são moedas digitais e criptografadas, que são únicas, não divisíveis e transferíveis. Elas são criptoativos que podem ser utilizados para pagamentos e demais transações financeiras realizadas, exclusivamente, de forma virtual, mas que podem ser utilizadas em qualquer parte do mundo.

Cada transação possui uma assinatura eletrônica que identifica quem enviou, para quem e quanto está sendo enviado. Elas são registradas em um blockchain, que funciona como uma corrente. É um sistema que garante com que os dados armazenados não sejam excluídos ou alterados, garantindo a transparência e segurança da transação.

Além disso, as criptomoedas são mineradas, ou seja, um grupo de pessoas usa o poder computacional para descobrir uma solução matemática para ter o direito de transmitir as transações recentes para a rede blockchain, onde tudo fica registrado e disponível para consulta. Em troca eles ganham unidades da criptomoeda.

Tokens:

E os tokens, por fim, são a representação de um bem real em formato digital e seu valor financeiro depende do valor do ativo que ele representa. Várias empresas vêm criando em comercializando tokens e esse também o criptoativo utilizado nos jogos NFT.

Mas existem outros tipos de tokens, como os de segurança, emitidos por uma Security Token Offering (STO); os tokens de capital, utilizados como representações de parte de um estoque ou patrimônio da empresa emissora; tokens de Apps, que permitem o acesso a produtos ou serviços; e tokens de pagamento, que são os mais conhecidos e referem-se aos ativos que funcionam como meios de pagamento por bens ou serviços.

Quantos criptoativos existem?

Criptoativos, considerando todos os tipos deles, são milhares já em todo mundo. Incontáveis, praticamente. Mas para se ter uma ideia, apenas em relação às criptomoedas, nesse fim de 2021, estima-se que sejam cerca de 2.500. Um número que, vale a pena dizer, vem crescendo muito rápido e que devee aumentar ainda mais nos próximos anos em ritmo cada vez maior.

Criptoativos que podem se valorizar em 2022

Muito bem, agora que você já tem um contexto, uma base de informações sobre os criptoativos, vamos trazer abaixo alguns deles que, segundo várias listas, de vários especialistas, têm um potencial interessante e que podem vir a subir em 2022.

Criptoativos para 2022:

  1. Ethereum (ETH)
  2. Binance Coin (BNB)
  3. Solana (SOL)
  4. Polygon (MATIC)
  5. Polkadot (DOT)
  6. Chainlink (LINK)
  7. Aave (AAVE)
  8. Uniswap (UNI)
  9. Avalanche (AVAX)
  10. The Sandbox (SAND)
  11. Elrond (EGLD)
  12. Metis Dao (METIS)
  13. Victoria VR (VR)
  14. Decentraland (MANA)
  15. Sidus (SIDUS)
  16. Sushi (SUSHI)
  17. Axie Infiniti (AXS)
  18. Start Atlas DAO (POLIS)
  19. Bomb Crypto (BCOIN)
  20. WorkerTown (WRKT)

Como investir nesses criptoativos?

O primeiro passo é estudar sobre eles, ler tudo o que você puder sobre os que mais te interessam. Assim como o investimento em ações, o investimento em criptos exige dedicação, estudo e mente aberta.

E para conhecer bem um criptoativo é importante ler o whitepaper dele. Esse documento é o equivalente aos prospectos divulgados pelas empresas quando elas fazem sua oferta pública inicial (IPO), e ele traz todas as informações importantes sobre o ativo.

Nessa whitelist, procure compreender alguns pontos como o histórico de desenvolvimento do protocolo, a equipe por trás dele, os fundos que já investiram no ativo, o problema que a criptomoeda soluciona, a porcentagem de participação que ficou com a equipe fundadora, entre outros.

Ray Nasser, especialista em criptomoedas da Inversa e da INV, também dá uma outra dica: se você nunca investiu em criptomoedas, comece pelo bitcoin (BTC) para depois dar os primeiros passos na rede ethereum (ETH), na tokenização e nas finanças descentralizadas (DeFi). Ele diz isso, porque o bitcoin já é mais conhecido, as informações estão mais à mão. Depois conforme você adquire experiência, pode partir para uma exploração mais pessoal.

Mas se você quer saber como comprar criptoativos, saiba que existem três principais formas de se investir nesses criptoativos hoje no Brasil. São elas:

  • Por meio de corretoras de criptoativos;
  • Por meio dos Exchange Tradeed Funds (ETFs);
  • Ou por meio dos Fundos de Investimento.

Então agora você já tem uma boa base para investir em criptomoedas em 2022, caso seja essa a sua vontade. Boa sorte e bons negócios!