O dinheiro está presente em praticamente todos os momentos da nossa vida atualmente e talvez por isso, sua existência também é cercada de algumas dúvidas, alguns mitos, curiosidades.

Algumas das dúvidas que sempre pairam no ar, por exemplo, são: eu posso recusar uma nota que está danificada? É possível ser preso por rasgar dinheiro? O dinheiro que pegamos é realmente sujo? E será que o dinheiro físico vai acabar?

Vamos ver todas essas respostas a seguir e saber o que é mito e o que é verdade.

Pode recusar nota danificada?

Sim, pode. Caso você receba uma nota rasgada ou colada e tentar comprar algo com ela, pode ser que não consiga. De acordo com o BC (Banco Central) tanto consumidores quanto lojistas podem recusar essa nota e exigir uma com melhores condições.

Isso não significa que irá perder essa nota e ficar no prejuízo. Se essa nota tiver mais da metade de seu tamanho original em um único fragmento, ela pode ser trocada no banco por uma nova. Mas, caso a nota esteja com menos da metade do tamanho original, você ficará no prejuízo, pois ela não terá mais validade.

Isso também vale para notas que tenham rabiscos, manchas ou desenhos. Dependendo do tamanho do dano, podem ser trocadas. Mas se estiverem muito danificadas, elas podem estar perdendo sim o seu valor.

Portanto, em caso de receber uma nota com um dano muito grande, estando rasgada ou danificada, solicite a troca para você não ter problemas posteriores.

É crime rasgar dinheiro?

Tecnicamente, não há consenso sobre o assunto, que divide as opiniões dos especialistas. De acordo com o artigo 163 do código penal brasileiro, é crime destruir, inutilizar ou deteriorar um bem da União, sim.

Alguns especialistas concordam que rasgar dinheiro é um crime, já que a pessoa estaria danificando um patrimônio público, pois a cédula não é patrimônio dessa pessoa.

Porém, existe a interpretação de que para ser crime é necessário dolo, tendo a intenção de cometer um crime. Sendo assim, se alguém rasga uma cédula por acidente não deve ser culpado por isso.

Então, como o dinheiro pertence a uma pessoa, mesmo a cédula sendo da União, a punição criminal por esse ato é discutível. Mas o correto é não rasgar nenhuma cédula, já que ela tem valor e deve ter cuidada.

Dinheiro é sujo?

Sim. A vida inteira ouvimos que devemos lavar as mãos após pegar em dinheiro. E isso é fato. As cédulas de dinheiro juntaram centenas de microorganismos.

Um estudo realizado nos Estados Unidos em 2017 detectou que uma única nota de dólar continha diversas bactérias, microorganismos da boca, DNA de animais domésticos e vírus. Até traços de cocaína existem nelas. Inclusive, elas podem ser mais sujas do que um vaso sanitário. Melhor lavar as mãos mesmo, né?

Pode existir cédulas de mesmo valor mas onde uma vale mais que a outra?

Depende. No mercado, uma moeda de R$ 1,00 compra produtos de R$ 1,00, porém, no que se refere ao seu valor agregado, elas pode ter diferenças, sim.

Existem notas e moedas que são substituídas ou criadas para datas comemorativas, por exemplo, e nesses casos elas podem valer mais.

Aquelas moedas que foram criadas pelo BC para as Olimpíadas do Rio de Janeiro de 2016 podem valer até R$ 300,00 de acordo com alguns sites de revenda.

As notas de R$ 100,00 emitidas em 1994, e que contam com a assinatura do então Ministro da Fazenda Rubens Ricupero, podem valer mais de R$ 1,2 mil segundo sites especializados. Elas têm uma grande procura por colecionadores pois não possuem a frase "Deus seja louvado", impressas nas cédulas.

Repassar dinheiro falso sem saber é crime?

Não. Só é considerado crime quando a pessoa que recebe tem consciência de que o dinheiro é realmente falso.

O crime de receptação de dinheiro falso está previsto no código penal brasileiro, mas nele ainda diz: "quem, tendo recebido de boa-fé, como verdadeira, moeda falsa ou alterada, a restitui à circulação depois de conhecer a falsidade, é punido com detenção de seis meses a dois anos, e multa".

O dinheiro físico pode acabar?

Na verdade não. Pelo menos em relação à realidade atual, isso é um mito. Mesmo com todo esse avanço da popularização das carteiras digitais e da moeda digital brasileira, muitas pessoas ainda não têm acesso à internet. Nas áreas rurais do país, esse índice de pessoas sem internet chega a 53%. Então podemos dizer que o dinheiro físico ainda está muito presente.

Então, agora já sabemos um pouco mais sobre o nosso dinheiro. Mas se você tem ainda alguma dúvida, podem mandar pra gente que o Poupar Dinheiro vai atrás da informação correta e a compartilha aqui se é uma verdade ou um mito.