A Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais S.A. (USIMINAS) anunciou na manhã dessa segunda-feira, 27 de setembro, que decidiu paralisar as operações do Alto Forno nº 2 da Usina de Ipatinga (MG), em função de um incidente no Cone Grande deste equipamente, ocorrido na última sexta-feira, 24 de setembro de 2021.

A companhia não informou detalhes sobre o incidente, porém, de acordo com o Fato Relevante publicado, a paralisação será mantida por um período entre 90 a 150 dias, ou seja, por até 5 meses, a depender da solução de reparo a ser implementada.

O forno envolvido no incidente tem a capacidade de produzir 55 mil toneladas de ferro-gusa por mês, ou cerca de 600 mil toneladas por ano e sua paralisação deverá causar algum tipo de impacto à produção da empresa, porém, a companhia disse que espera "compensar a menor produção de aço bruto com a utilização de seus estoques e com a compra de placas no mercado, minimizando o impacto no atendimento dos compromissos com os seus clientes".

Ilustração de um modelo de Cone Grande de Alto Forno, estrutura envolvida no incidente de sexta-feira, dia 24 de setembro. Créditos: Divulgação/Hardox
Ilustração de um modelo de Cone Grande de Alto Forno, estrutura envolvida no incidente que resultou em paralisação das atividades. Créditos: Divulgação/Hardox

Ademais, a Usiminas disse que qualquer novidade que surgir a respeito desse assunto será comunicada ao mercado e aos acionistas.

Veja na íntegra o Fato Relvante publicado pela Usiminas.

Sobre a Usiminas

A Usiminas é uma companhia que atua com aço e que está dividida em quatro empresas: a Mineração Usiminas, a Soluções Usiminas a Unigal Usiminas e a Usiminas Mecânica além da Fundação São Francisco Xavier (voltada para saúde e educação) e do Instituto Usiminas (cujo foco é em cultura, esporte e cidadania).

Sua sede está localizada em Ipatinga (MG), mas ela possui escritórios Em Belo Horizonte (MG), São Paulo (SP) e em Porto Alegre (RS). Além disso, ela conta com polos de mineração em Itatiaiuçu (MG) e Mateus Leme (MG); polos de siderurgia em Cubatão (SP), Ipatingo (MG), Vitória (ES); e polos de transformação do aço em Guarulhos (SP), Betim (MG), Santa Luzia (MG), Cabo de Santo Agostinho (PE), Taubaté (SP) e Porto Alegre (RS).