A Oi (OIBR3), empresa de telecomunicações que se encontra em recuperação judicial desde 2016, publicou no dia 18 de julho um comunicado importante em seu canal de informações para investidores que informa ao mercado o interesse de outras partes na compra de uma grande fatia da empresa. O consórcio seria composto por Tim (TIMP3), Vivo/ Telefônica Brasil (VIVT4) e Claro, pois elas também publicaram a notícia por meio de fato relevante em seus respectivos sites.

Com a notícia, os ativos listados na B3 dessas empresas tiveram um salto nesta segunda-feira, 20. A OIBR3 subiu 9,09%, enquanto Tim (TIMP3) e Telefônica (VIVT4) acumularam alta de 6% no fim do pregão.

Venda de parte da Oi

As três empresas de telecomunicação estão interessadas nos ativos que formam a chamada "UPI de Ativos Móveis" da Oi, conforme explica a Vivo em seu comunicado, informando que os principais ativos objetos da oferta são: "termos de autorização de uso de radiofrequência; base de clientes do Serviço Móvel Pessoal; direito de uso de espaço em imóveis e torres; elementos de rede móvel de acesso ou de núcleo; e sistemas/plataformas."

A oferta feita pelo trio também inclui "o direito de cobrir o melhor dentre os demais lances apresentados no processo competitivo de venda do negócio móvel do Grupo Oi.", conforme explicam os executivos das companhias.

Tim, Vivo e Claro avaliaram os balanços e as demais informações sobre a Oi e traçaram perspectivas, já que caso a venda seja concretizada e tudo ocorra conforme o desejado, tanto as empresas quanto os acionistas e clientes poderão sair beneficiados da operação.

A compra da Oi será importante para o crescimento dos negócios e poderá aumentar a eficiência das operações, que são desejos dos acionistas. Já os usuários poderão ter acesso a ofertas e serviços novos. Além disso, a aquisição dos ativos "contribuirá para o desenvolvimento e competitividade do setor de telecomunicações brasileiro", segundo os fatos relevantes publicados.

Oi também recebeu oferta de aquisição para a UPI de Torres

A empresa Highline ofertou pouco mais de um bilhão de reais (R$1.076.740.878,00) para a compra da Unidade Produtiva Isolada (UPI) de Torres da Oi, esta que publicou a informação em seu site também no dia 18 de julho. A rede de telefonia ainda analisa a proposta apresentada.

A Highline presta serviços customizados de infraestrutura para empresas do setor de telecomunicações; como torres, rooftops, dentre outros.

A Oi irá publicar as decisões sobre as vendas dos ativos e da UPI de torres entre as próximas semanas, então os interessados devem ficar atentos. Para isso, ative as notificações do Poupar Dinheiro e receba as futuras notícias sobre esses trâmites.