O mercado possui projeções de uma taxa selic a 11,25% ao ano (a.a.) no final de 2022, segundo dados do último Boletim Focus divulgado pelo Banco Central em 29 de novembro. A estimativa é a mesma da versão anterior do relatório e mostra que a taxa básica de juros deve continuar subindo forte nas próximas semanas após o nível histórico de apenas 2% a.a. de 2020.

Em seu último encontro, o Copom - Comitê de Política Monetária -, órgão do Banco Central responsável por ajustar a taxa - aumentou a selic em 1,5% para 7,75% ao ano. Agora, segundo o último Relatório Focus, o mercado prevê a selic a 9,25% ao ano no final de 2021, indicando que a taxa deve ser novamente aumentada na próxima reunião do Copom, marcada para dezembro, em mais 1,5%.

Veja abaixo todas as projeções do mercado para 2022, segundo o Boletim Focus do Banco Central:

  • Selic: 11,25% ao ano;
  • Inflação (IPCA): 5% ante projeção de 4,96% na versão anterior;
  • PIB Total (variação sobre o ano anterior): 0,58% em relação a 2021 - ante 0,70%
  • Câmbio (Dólar): R$ 5,50 - sem alterações;
  • IGP-M: 5,38% ante 5,35%;
  • Conta Corrente: saldo negativo de US$ 19 bilhões - sem alterações;
  • Balança comercial: US$ 63,65 bi ante US$ 63 bilhões;
  • Investimento direto no país: US$ 56,68 bi ante US$ 59,05 bilhões;
  • Dívida líquida do setor público: 63% do PIB.

Calendário do COPOM de 2022

O Banco Central (BC) divulgou recentemente o calendário completo das reuniões que serão realizadas em 2022 pelo Comitê de Política Monetária, o Copom, para ajustar a taxa básica de juros do Brasil, a Selic. Começando já em 1º de fevereiro e seguindo até dezembro do ano que vem, a nova agenda conta com oito sessões ao todo, conforme a tradição.

Além disso, em cada evento de ajuste da Selic, o Copom realiza dois encontros que são realizados em dias consecutivos. Veja abaixo a agenda completa do Copom para 2022:

  • 1º e 2 de fevereiro;
  • 15 e 16 de março;
  • 3 e 4 de maio;
  • 14 e 15 de junho;
  • 2 e 3 de agosto;
  • 20 e 21 de setembro;
  • 25 e 26 de outubro;
  • 6 e 7 de dezembro.

O que é a Taxa Selic?

Abreviação de Sistema Especial de Liquidação e Custódia, a Selic é a taxa básica de juros da economia brasileira, responsável por orientar o cálculo dos demais juros do país, como os de financiamentos, empréstimos, bem como a rentablidade de alguns tipos de investimentos.

Sempre alterada pelo Copom, órgão do Banco Central, a cada 45 dias, a Selic mostra como os bancos devem cobrar por empréstimos e financiamentos e impõe a rentabilidade direta ou indireta de investimentos. O título público federal Tesouro Selic, por exemplo, tem rentabilidade que acompanha as variações da taxa.

Além disso, a selic também norteia a inflação no Brasil (atingindo em cheio o IPCA), tudo para controlar a economia brasileira.

Com a selic sendo aumentada, logo os empréstimos e financiamentos ficam mais caros e o poder de compra dos brasileiros diminui; neste caso, é observada uma desaceleração na economia. Entretanto, alguns investimentos, como os títulos públicos, ficam com uma rentabilidade maior.

De outro lado, quando o Copom decide abaixar a selic - assim como ocorreu há um tempo -, o movimento é, em tese, o contrário e a intenção do governo, junto aos economistas, é deixar o crédito mais barato e incentivar o consumo da população e a produção do mercado, aquecendo a economia. Mas, atualmente a recuperação das atividades depende ainda de algo muito mais complexo: a pandemia de covid-19.

Histórico da Taxa Selic

Últimos ajustes da Taxa Selic
Reunião do Copom SELIC - % a.a. Ajuste
27/10/2021 7,75 +1,50
22/09/2021 6,25 +1%
04/08/2021 5,25 +1%
16/06/2021 4,25 +0,75%
05/05/2021 3,50 +0,75%
17/03/2021 2,75 +0,75%
20/01/2021 2,00 -
09/12/2020 2,00 -
Créditos: Banco Central/Poupar Dinheiro