A hora do roxinho ir à Bolsa de Valores chegou e a recepção foi calorosa. Alimentando as expectativas do mercado, o banco digital Nubank concluiu sua dupla oferta pública inicial (Initial Public Offering - IPO) e estreou nesta quinta-feira de 9 de dezembro na Bolsa de Valores de Nova York, Nyse, às 11h no horário de Brasília. Além disso, a Bolsa de Valores de São Paulo (B3) também passou a negociar os BDR's NUBR33 no mesmo dia, logo após a estreia nos Estados Unidos, mas aqui no Brasil a tradicional cerimônia foi realizada nesta sexta-feira (10).

Em seu primeiro pregão de negociação, o Nubank viu suas ações e BDR registrarem alta no mercado financeiro.

Em Nova York, as ações NU chegaram a ter alta de 30% e fecharam o dia (9) cotadas a US$ 10,33 cada com alta acumulada de quase 15%. Por sua vez, o BDR NUBR33 encerrou o pregão com preço de R$ 10,04 em alta de 20%.

Até às 11h22min desta sexta-feira, 10, o BDR NUBR33 estava na B3 cotado a R$ 11,34 com forte alta de 12,95%. No mesmo horário, a ação NU registrava alta de 2,71% na Nyse, com preço de US$ 10,60.

O Nubank precificou suas ações classe A em US$ 9,00 no topo da faixa indicativa, na Nyse. Assim, cada BDR (cujo preço representa 1/6 da ação Nu) chegou à B3 com um preço de R$ 8,36 ou US$ 1,50.

Nubank foi o primeiro a realizar IPO duplo

Segundo a B3, o Nubank foi a primeira empresa brasileira a realizar dupla listagem ao mesmo tempo, no exterior e no Brasil.

"Este é um momento histórico para o Nubank, que coroa esses oito anos de trabalho. Desde o primeiro momento em que decidimos fazer o IPO, tínhamos claro que seria uma dupla listagem e fizemos o NuSócios para reconhecer a participação dos nossos clientes nessa trajetória, ajudando a democratizar a bolsa de valores do Brasil com 7,5 milhões de pessoas que pediram um pedacinho do Nubank", disse David Vélez, fundador do Nubank, durante a cerimônia de estreia dos BDR's na Bolsa de Valores de São Paulo.

Créditos: Divulgação/B3.
Créditos: Divulgação/B3.

Veja mais abaixo as lives transmitidas do evento na B3 e na Nyse, onde ocorreram os toques das campainhas, com presença dos fundadores do Nubank:

Com o IPO Global, o Nubank levantou mais de US$ 2,591 bilhões, cerca de R$ 14,452 bilhões, incorpando um valor de mercado superior a US$ 41,5 bilhões (R$ 230 bilhões), passando o Itaú Unibanco, Bradesco e outras instituições financeiras e tornando-se o maior banco da América Latina.

Conforme o calendário, o período para investir no IPO do Nubank chegou ao fim em 7 de dezembro (saiba mais abaixo).

Nubank levanta R$ 14,5 bilhões em IPO

Foi um IPO duplo, pois o Nubank listou suas ações em Nova York, na New York Stock Exchange (NYSE) - a maior bolsa de valores do mundo -, e também passa a ser negociado na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) com Brazilian Depositary Receipts, BDR's.

Após as alterações, o Nubank seguiu com um IPO Global formado por distribuição primária de 289.150.555 de novas ações ordinárias classe A (NU), que foram listadas na Nyse, inclusive sob a forma de BDR's NUBR33 a serem negociados na B3.

A oferta previa um lote adicional de até 20% da base inicial, mas isso não ocorreu, segundo o documento divulgado. Em 8 de dezembro, cada ação NU foi fixada a um preço de US$ 9,00, ou R$ 50,20. Assim, cada BDR NUBR33 estreou na B3 no topo da faixa indicativa, a um preço de R$ 8,36.

Desta forma, o Nubank movimentou exatos US$ 2.591.018.478,00 - sendo R$ 14.452.161.324,47 na conversão direta. Só no Brasil, com as negociações iniciais de BDRs, o IPO foi de quase R$ 342,5 milhões.

O IPO do Nubank no Brasil foi uma oferta pública de distribuição de BDR's a serem emitidos pelo Banco Bradesco, conforme as normas. Cada BDR será da espécie Patrocinado Nível III e deve representar 1/6 do preço da ação NU.

Após as últimas alterações, a projeção era de que cada Ação Ordinária Classe A fosse fixada entre US$ 8,00 e US$ 9,00 nos EUA, gerando um preço médio por ação de US$ 8,50 ou cerca de R$ 47,49, seguindo a faixa indicativa.

Antes, a faixa estimada para as ações na Nyse era de US$ 10,00 a US$ 11,00 com preço médio de US$ 10,50 ou cerca de R$ 58,93.

As mudanças no IPO

Em 30 de novembro, o Nubank anunciou três grandes mudanças no prospecto preliminar do IPO, sendo elas: presença de investidores-âncora, ajuste na faixa de preço e regras do greenshoe (lote suplementar).

Por sua vez, a mudança na faixa indicativa foi uma redução de R$ 9,82 para R$ 7,91 no preço médio por BDR, devido a alteração nas ações (veja mais abaixo). Com as mudanças, os investidores que já haviam feito reservas puderam solicitar o cancelamento do pedido até o dia 7 de dezembro.

O IPO do Nubank foi feito por meio de negociação de ações da Nu Holdings, que controla o grupo. De acordo com o documento divulgado, "considerando que as Ações Ordinárias Classe A que compõem o Lote Suplementar serão, no âmbito da Oferta Internacional, emitidas apenas pela Companhia, a Oferta Global passará a ser exclusivamente primária, tendo sido excluídas todas as referências a "Acionistas Vendedores" e "Oferta Secundária" do Prospecto Preliminar".

Antes das mudanças no IPO, havia a previsão de realização de uma oferta secundária com determinados acionistas do Nubank, sendo a negociação de cerca de 43,3 milhões de ações classe A - o que, como dito acima, não vai mais acontecer.

O que o Nubank fará com o dinheiro do IPO?

Com cada ação e BDR fixados no topo das projeções, o Nubank captou mais do que as estimativas iniciais. Todo o dinheiro levantado no IPO irá para os cofres do Nubank, sendo recursos da oferta primária.

Após descontos e despesas com a operação, o Nubank captou mais de US$ 2,6 bilhões, cerca de R$ 14,2 bilhões, considerando um preço de US$ 9 por Ação Ordinária Classe A, equivalente a R$ 50,20 na conversão em reais.

Segundo o prospecto divulgado, o Nubank pretende dividir os recursos captados no IPO em quatro projetos ao todo, sendo eles:

  • Capital de giro (25% dos recursos líquidos levantados);
  • Despesas operacionais (25%);
  • Despesas de capital (25%);
  • Novos investimentos e aquisições de negócios, produtos, serviços e tecnologias (25%).

Foram escalados como coordenadores do IPO do Nubank a subsidiária/corretora Nu Invest que é a coordenadora-líder, Morgan Stanley como agente estabilizador, Goldman Sachs, Citi, Banco HSBC, UBS BB e o Banco Safra.

- Leia o prospecto definitivo do IPO do Nubank no Brasil.

Reservas concluídas puderam ser canceladas até 7 de dezembro

Segundo o documento divulgado, a Nu Invest comunicou cada investidor não institucional, de forma direta, que tenha feito reservas no IPO sobre as novas alterações no prospecto.

Quem havia realizado o pedido de reserva pôde solicitar o cancelamento da operação entre os dias 30 de novembro até 7 de dezembro de 2021, inclusive, que é o chamado "período de desistência". Ao fazer isso, os valores envolvidos serão devolvidos ao ex-investidor.

Entretanto, para aqueles que aceitaram BDR's grátis no Programa NúSócios não existiu a possibilidade de desistência. Ainda conforme o novo documento, o processo para solicitar desistência da reserva do IPO foi realizado nos seguintes canais:

  • Chat do App do Nubank ou Central de Atendimento do banco pelo telefone 0800 608-6236: aberto 24 horas nos 7 dias da semana ou;
  • Chat do App da Nu Invest ou a Central de Atendimento da empresa pelo telefone (11) 3841-4515: apenas durante dias úteis, em horário comercial.

Período de reserva do IPO do Nubank - BDR: NUBR33 - foi até 7/12

Conforme o cronograma estimado para a oferta, o período de reserva começou em 17 de novembro e seguiu até 7 de dezembro de 2021, quando também fecha o intervalo para o cancelamento do pedido.

Para investir no IPO, foi necessário seguir os valores mínimo e máximo pré-estabelecidos, de R$ 30,00 e R$ 300 mil respectivamente, na oferta de varejo.

Segundo o prospecto, com nosso destaque, "será realizada a distribuição pública dos BDRs (considerando o Lote Adicional), por meio do Programa de Clientes destinado aos Clientes (NuSócios) e de 2 (duas) ofertas distintas, quais sejam: uma oferta destinada aos Investidores Não Institucionais, que incluem Empregados e Investidores de Varejo Nubank (Oferta Não Institucional); e uma oferta destinada a Investidores Institucionais (Oferta Institucional)". Segue abaixo quem poderá participar do IPO do Nubank no Brasil (B3):

  • Pessoas físicas que forem clientes da Nu Pagamentos até dois dias corridos anteriores ao último dia do Período de Adesão ao Programa de Clientes (NuSócios), que atendam às condições do prospecto;
  • Pessoas físicas que tenham contrato de trabalho vigente com as sociedades do Grupo Nubank no Brasil. Respeitando o período de reserva, esses investidores devem respeitar valores mínimo e máximo de investimento de R$ 30,00 e R$ 300.000,00 respectivamente;
  • Investidores pessoas físicas, que não sejam considerados Investidores Institucionais, residentes e domiciliados no Brasil, com conta aberta e cadastro atualizado junto ao NuInvest, incluindo os empregados do banco, esse grupo é chamado de "Investidores de Varejo Nubank" ou "Investidores não Institucionais" na oferta de varejo;
  • Investidores pessoas físicas e jurídicas e clubes de investimento que sejam considerados investidores qualificados, nos termos da Resolução CVM 30, em qualquer caso, com aportes superiores a R$ 300 mil.

NuSócios: Nubank deu BDR NUBR33 de graça aos correntistas

Quem aceitou os BDR's do Nubank pelo aplicativo dentro do prazo no IPO receberá cada papel fixado a um preço de R$ 8,36 cada.

O Programa de Clientes, ou NuSócios, trata-se de uma estratégia do banco digital que consiste em distribuir, gratuitamente, milhões de BDRs entre os clientes que assim desejarem. Com isso, o Nubank ainda conseguirá captar mais usuários para a plataforma de investimentos Nu Invest - a antiga corretora Easynvest adquirida em 2020.

A oferta dos BDR's foi feita no aplicativo da conta digital do Nubank por onde o cliente pôde aceitar alguns "pedacinhos" do banco. Veja abaixo o vídeo publicitário sobre o programa:

Vídeo incorporado do YouTube

Segundo o banco, os BDRs do Nubank começam a ser oferecidos aos clientes da conta digital a partir do dia 9 de novembro, sendo que o interessado precisou manifestar seu interesse nos papéis direto pelo aplicativo do Nu, apenas aceitando os termos. Depois de garantir seus BDRs pelo Programa NuSócios, o cliente não poderá negociá-los (vendê-los na B3) durante doze meses.

"Mas esse pedacinho é muito mais do que uma parcela de uma futura ação: é sobre convidar as pessoas a virarem sócias do Nu. Ele é uma chance de entrar no universo da Bolsa de Valores com a pontinha do pé, sem ter que desembolsar nada por isso. E, a partir daí, entender mais sobre investimentos como um todo.

Essa iniciativa tem o potencial de multiplicar em dezenas de vezes o número de brasileiros com acesso à Bolsa de Valores", disse o Nubank, que possuía até meados de setembro deste ano mais de 48 milhões de clientes.

Calendário completo do IPO do Nubank na B3 - NUBR33

O IPO do Nubank foi iniciado, em termos técnicos, no dia 6 de setembro de 2021 por meio de protocolo junto à Comissão de Valores do Brasil, a CVM. Agora os próximos passos serão o período de reservas dos BDRs (ou para desistência) entre 17 de novembro a 7 de dezembro e a fixação do preço dos papéis já na quarta-feira, 8.

Após a precificação dos BDR's, a estreia do Nubank na B3 está prevista para 9 de dezembro sob o código NUBR33. Veja abaixo o calendário atualizado do IPO, com datas estimadas:

Créditos: Reprodução/Nubank/CVM.
Créditos: Reprodução/Nubank/CVM.

Sobre o Nubank (NUBR33)

Fundado em 2013 por David Vélez com a proposta de inovar os serviços bancários, o Nubank é hoje uma das maiores plataformas de banco digital, e uma das principais empresas de tecnologia, do mundo. Em 2021 a fintech chegou a 48,1 milhões de clientes espalhados em três países da América Latina, sendo: Brasil, México e Colômbia.

O Nubank vem agitando o mercado nos últimos anos com uma proposta de facilitar os serviços bancários - e investimentos. Isso porque o banco nasceu como um operador (pioneiro) de cartão de crédito sem anuidade em 2014 para controlar também uma corretora de investimentos em 2021. Sem falar na conta bancária 100% digital, também sem anuidade, e o produto próprio de seguro de vida lançado há pouco, dentre outros serviços.

Créditos: Divulgação/Nubank.
Créditos: Divulgação/Nubank.

Até setembro deste ano, o banco digital tinha como clientes cerca de 28% dos brasileiros com idade igual ou superior a 15 anos. "Também fomos classificados como o banco nº 1 do Brasil pela Forbes nos últimos três anos, o aplicativo de banco digital nº 1 do mundo pela Pymnts.com em 2021 e o melhor banco e melhor banco digital da América Latina pela Euromoney em 2021", consta no documento divulgado.

Apesar do explícito avanço operacional, o Nubank vem registrando prejuízo nos últimos anos, como parte da estratégia da fintech. Em 2018, 2019 e 2020 os prejuízos, em dólar, foram de US$ 28,6 mi, US$ 92,5 mi e US$ 171,5 milhões respectivamente.

De outro lado, por exemplo, além do aumento da base de clientes, entre 2019 e 2020 as receitas totais do Nubank saltaram 79%, para R$ 5 bilhões.

"(...) o prejuízo é uma decisão de negócio. Escolhemos, agora, seguir investindo a margem que geramos em times, serviços e produtos, em vez de já realizar lucro. Podemos gerar lucro a qualquer hora, mas, neste estágio da nossa empresa, queremos seguir crescendo junto com os nossos clientes. Esse modelo é adotado por algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo e tem o apoio dos nossos investidores", explica o Nubank em seu site.

- Veja os dados financeiros do Nubank (NUBR33) na íntegra pelo Formulário de Referência.