A Petrobras (PETR3 e PETR4) informou nessa quarta-feira, 11 de maio que o valor dos dividendos complementares aprovados em fevereiro subiu para R$ 2,9702487 por ação, com base em atualização pela taxa Selic até o dia 16 de maio.

O Conselho de Administração da Petrobras, listada na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) com as ações PETR3 e PETR4, havia aprovado uma proposta de dividendos complementares, relativos a 2021, referente a uma quantia bruta de R$ 2,8610762 por ação preferencial e ordinária. O anúncio, em fevereiro, ocorreu junto à divulgação dos resultados registrados pela petrolífera no ano - saiba mais abaixo.

Depois, em abril de 2022, a proposta foi deliberada em Assembleia Geral de Acionistas, conforme o calendário. Considerando todos os proventos anunciados até agora, a Petrobras fará um pagamento equivalente a R$ 7,773202 por ação ordinária e preferencial em forma de dividendos relativo a 2021, quando houve o atingimento antecipado da meta de endividamento.

"O dividendo proposto está alinhado à Política de Remuneração aos Acionistas, que prevê que, em caso de endividamento bruto inferior a US$ 65 bilhões, a Petrobras poderá distribuir aos seus acionistas 60% da diferença entre o fluxo de caixa operacional e as aquisições de ativos imobilizados e intangíveis (investimentos). Tendo em vista a redução da dívida para US$ 58,7 bilhões, foi possível aplicar a fórmula de maneira integral já no ano de 2021", consta no documento divulgado.

Data-Com: quem receberá os dividendos da Petrobras (PETR4)?

Receberá esses dividendos da Petrobras, de cerca de R$ 2,97 por ação, quem comprou ações da estatal listadas na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) até 13 de abril de 2022 que é a data-com estabelecida. Já para os detentores de ADRs negociadas na Nyse a data de corte (record date) é 18 de abril de 2022, segunda-feira.

O pagamento dos dividendos está marcado para 16 de maio de 2022 para os acionistas via B3, e a partir de 23 de maio de 2022 para os detentores de ADR's na Nyse. Até o crédito, o valor dos proventos será atualizado pela Taxa Selic.

Dividendos da Petrobras (PETR3/PETR4) - Resumo

  • Tipo: Dividendos Complementares;
  • Aprovação: 23 de fevereiro de 2022 (CA) e 13 de abril de 2022 (AGO);
  • Valor: R$ 2,8610762 por ação (ordinária ou preferencial);
  • Valor por ação atualizado pela Selic: R$ 2,9702487 (até 16 de maio de 2022);
  • Data-Com na B3: 13 de abril de 2022;
  • Record date Nyse: 18 de abril de 2022;
  • Data do pagamento: 16 de maio de 2022 na B3; a partir de 23 de maio de 2022 na Nyse;
  • Referência: 2021.

Petrobras (PETR4) lucrou R$ 106,668 bilhões em 2021

A Petrobras (PETR4/PETR3) gerou um lucro líquido de R$ 106,668 bilhões em 2021, o que representa uma forte alta de 1.400% em relação aos R$ 7,1 bilhões registrados em 2020, conforme mostra o relatório de resultados divulgado pela estatal na noite de quarta-feira, 23 de fevereiro. Pelo balanço, a Petrobras informa que esse lucro líquido foi beneficado por eventos não recorrentes, com destaque para os descritos abaixo:

  • reversão de impairment;
  • ganho com alienação de ativos;
  • ganho com recebimento pelo acordo de coparticipação referente ao excedente da Cessão Onerosa do campo de Búzios;
  • efeitos da não incidência do IRPJ/CSLL sobre atualização pela Taxa Selic de indébitos tributários, parcialmente compensados pelo deságio na recompra de bonds.

Ao excluir os eventos não recorrentes, o lucro líquido teria sido de R$ 83,3 bilhões em 2021. Entretanto, no quarto trimestre (4T21) a Petrobras teve um lucro líquido de R$ 31,504 bilhões, sendo uma queda de 47,4% quando comparado com os meses de outubro a dezembro de 2020.

"Tanto pela perspectiva operacional e econômico‐financeira quanto pela estratégica temos hoje uma companhia muito mais sólida e resiliente e que foi capaz de evidenciar que a gestão racional e eficiente gera valor para a sociedade e para os nossos acionistas. Vale ressaltar que, além dos dividendos, recolhemos no ano de 2021 mais de R$ 200 bilhões em tributos, totalizando cerca de R$ 230 bilhões em retorno para a sociedade, sem considerar os dividendos adicionais aprovados na data de hoje [23/02]", disse o diretor financeiro e de relacionamento com investidores da Petrobras, Rodrigo Araujo Alves.

Destaques dos resultados da Petrobras (PETR4) em 2021

A receita de vendas cresceu 66,4% entre 2020 e 2021 para R$ 452,668 bilhões, com destaque para o petróleo Brent, principal produto do mercado, que teve um aumento de 69,7% no preço do barril, fechando 2021 a US$ 70,73, ano em que houve, segundo a estatal, aumento da demanda no mercado interno, principalmente devido à retomada econômica na pandemia da covid-19.

Além disso, segundo o balanço, também contribuíram para a forte receita da Petrobras um aumento nas vendas de gás natural e energia elétrica em 2021, bem como uma recuperação na indústria.

No 4T21, a receita de vendas totalizou R$ 134,190 bilhões, o que representa aumento de 79% em relação ao mesmo período de 2020, com salto de 80,3% no Brent e valorização do dólar. "Em termos da composição da receita no mercado interno, o diesel e a gasolina continuaram sendo os principais produtos, respondendo juntos por 72% da receita nacional de vendas de derivados de petróleo no 4T21", consta no relatório.

Em 2021, o custo dos produtos vendidos cresceu 57% refletindo, principalmente, maiores gastos com importações, fruto de maiores volumes de petróleo, derivados e gás natural e de maiores preços de Brent e de GNL. De outro lado, as despesas operacionais caíram 75,8% em 2021, frente a 2020, para R$ 17,233 bilhões.

O Ebitda Ajustado da petrolífera foi de R$ 234,576 bilhões em 2021, com alta anual de 64,1%, e de R$ 62,945 bilhões no 4T21 em aumento de 33,8% frente ao 4T de 2020 - conforme pode ser visto na tabela abaixo:

Créditos: Reprodução/Petrobras.
Créditos: Reprodução/RI Petrobras (PETR4)

No ano, o aumento do ebitda deu-se em razão principal do aumento do brent. "Outros fatores que merecem destaque foram as maiores vendas de derivados no mercado interno, com maiores margens de diesel e gasolina, compensados por menores exportações de petróleo, maiores custos de aquisição de GNL e a revisão atuarial referente a coparticipação do plano de saúde", explica o balanço.

Após atingir a meta de endividamento, fato que motivou mudança na política de dividendos da estatal e anúncio de proventos, a dívida líquida da Petrobras fechou 2021 a US$ 47,626 bilhões, sendo uma retração de 24,6% em relação a 2020. Com isso, a alavancagem da Petrobras, dada pela relação dívida líquida/ebitda, caiu de 2,22x em 2020 para 1,09 vez em 2021.

Petrobras (PETR4) tem novo presidente e CA

Antes do feriado de páscoa, os acionistas da Petrobras deliberaram em abril a indicação do governo para a presidência da petrolífera, o químico industrial e ex-secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis no Ministério de Minas e Energia (MME) José Mauro Ferreira Coelho. O cargo era até então ocupado pelo General Joaquim Silva e Luna.