Na hora de investir, sempre é bom poder contar com a opinião de um especialista. Porque por mais que se faça as próprias análises e estude cada uma das possibilidades de investimento, a recomendação de um analista ou de uma empresa de análises, tem sempre um peso significativo.

Afinal, eles possuem conhecimentos técnicos e uma vasta experiência, além do fato de que acompanham de perto as ações por um período de tempo maior do que boa parte dos investidores. Analisar cada um daqueles numerozinhos dos relatórios publicados pelas empresas com ações na bolsa, é o trabalho deles.

Pensando nisso, o Poupar Dinheiro buscou as recomendações para o mês da XP Investimentos Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários S.A., que é uma corretora de valores brasileira, considerada uma das maiores corretoras independentes do Brasil. Abaixo vamos mostrar quais são as principais ações na categoria small caps que ela recomenda para julho de 2021. Veja.

O que são small caps?

Small caps são empresas listadas na bolsa cuja capitalização de mercado é relativamente pequena, menor do que a média das empresas da bolsa, normalmente girando entre R$ 300 milhões e R$ 2 bilhões, podendo ir até US$ 2 bilhões (não há uma definição formal).

Por ter essa característica, elas constumam ser empresas com grande potencial de crescimento. Por outro lado, elas também oferecem um pouquinho mais de risco.

Por isso, investir nesse tipo de ação é algo recomendado para investidores um pouquinho mais ousados porque uma maior volatilidade é algo intrínseco a elas. Quando a bolsa sobre, elas tendem a subir mais do que as grandes empresas, mas por outro lado, quando a bolsa cai, elas sofrem maior impacto também.

Alguns exemplos de small caps bem conhecidas, apenas para que você tenha uma ideia do que estamos falando, são a Petz (PETZ3), a Energias do Brasil (ENBR3), a Sanepar (SAPR3, SAPR4 e SAPR11) e a Fleury (FLRY3).

A Carteira Top Small Caps XP

A Carteira Top Small Caps XP tem a proposta de apresentar as melhores ações de empresas com capitalização de mercado inferior a R$ 10 bilhões e que possam apresentar um desempenho acima do Ibovespa no horizonte de longo prazo.

Essa carteira recomendada pode ou não sofrer alterações mensais. Em maio, ela subiu +8,1%, acima da performance de +6,2% do Ibovespa. E para julho foram feitas três mudanças: sai Lavvi (LAVV3), entram Bemobi (BMOB3) e Vulcabras (VULC3).

Small Caps para investir em julho

Abaixo, vamos conhecer quais são as small caps que a XP tem em sua carteira de recomendações para o mês de julho de 2021

Empresa Ticker Preço-alvo (R$)* Peso
Ânima ANIM3 15,00 20%
Aura AURA33 95,00 20%
Jalles Machado S.A. JALL3 14,00 15%
Bemobi BMOB3 30,00 15%
Soma SOMA3 17,00 15%
Vulcabras VULC3 12,00 15%

Abaixo, saiba mais sobre cada uma delas e veja a explicação da XP para a posição de cada uma delas em sua carteira To Small Caps.

  • Ânima (ANIM3): Em nossa visão, o desempenho positivo do mês de maio reflete dois fatores principais: i) números positivos dos resultados do 1T21; e ii) uma nova e maior indicação de sinergias a serem capturadas com a aquisição da Laureate - agora R$350M de R$230M. Continuamos vendo a Ânima bem posicionada no setor de educação, pois seu foco na qualidade deve continuar sustentando o crescimento da base de alunos e receita com ticket médio elevado. Também prevemos um crescimento contínuo da margem à medida que a empresa evolui na implementação de seu modelo acadêmico híbrido, além das sinergias a serem geradas a partir da aquisição da Laureate.
    Preço-alvo: R$ 15,00
    Preço hoje: R$ 13,03

  • Aura (AURA33): Em nossa opinião, a performance positiva da Aura foi suportada principalmente pelos resultados operacionais reportados no primeiro trimestre acima do consenso. Os fortes níveis de produção da empresa (67kGEO, -3% no trimestre e +66% no ano) e os preços mais altos do cobre mais do que compensaram os preços mais baixos do ouro no trimestre, reportando assim um EBITDA de US$ 52 milhões. Vemos o Aura sendo negociado a 3,1x EV/EBITDA 2021E e 1,9x 2024E (produção de 347kGEO), que está abaixo dos pares (4-5x EV/EBITDA 2021E), assumindo um preço do ouro médio de US$ 1.830/onça em 2021E. Acreditamos que a Aura está bem posicionada para aproveitar os benefícios de seu plano de expansão e pode destravar valor à medida que novas reservas e recursos serão declarados. Além disso, a Aura também foi beneficiada pelos preços mais altos do ouro durante o mês (+ 4,4%). Mantemos nossa recomendação de compra para Aura.
    Preço-alvo: R$ 95,00
    Preço hoje: R$ 68,15

  • Jalles Machado (JALL3): Ainda estamos no início da safra da cana-de-açúcar, o que costuma trazer alguma volatilidade ao mercado. A perspectiva é de uma produção menor nesta safra, principalmente devido à pior estiagem dos últimos anos, portanto, sendo que a produtividade deve ser menor quando as empresas divulgarem seus números do 4T21 (jan-mar/21). A Jalles Machado já divulgou um guidance para esta safra e, embora os rendimentos e a produção total devam ser menores do que o previsto durante seu IPO, ainda assim deverá ser uma queda menor do que a média do setor, principalmente devido à sua estratégia de irrigação. Os preços das ações ficaram praticamente estáveis ​​em maio, precificando tais desafios na frente agrícola, mas não houve ajuste à alta contínua dos preços do açúcar e do etanol. Continuamos otimistas com a empresa e temos uma recomendação de Compra com preço-alvo de R$ 14,00 por ação para o final da safra 2021/22
    Preço-alvo: R$ 14,00
    Preço hoje: R$ 10,70

  • Bemobi (BMOB3): Em nossa visão, a companhia está bem posicionada no mercado de serviços móveis que estão em expansão acelerada nos mercados emergentes. Nossa tese de investimento baseia-se em (i) seu modelo de negócio B2B2C exclusivo para distribuição de soluções digitais que vão desde jogos e aplicativos, microfinanças até comunicação; (ii) negócios escaláveis com forte perfil de crescimento; (iii) oportunidades adicionais de crescimento através de Fusões e Aquisições (M&A) e (iv) valuation atrativo com opcionalidades adicionais que podem levar para uma forte reavaliação de múltiplos. Temos uma recomendação de Compra para BMOB3 com preço-alvo de R$30,0/ação para o final de 2021.
    Preço-alvo: R$ 30,00
    Preço hoje: R$ 23,22

  • Soma (SOMA3): Vemos a companhia (i) bem posicionada para consolidar o mercado de vestuário de luxo, (ii) com muito espaço para crescer organicamente; (iii) com potencial de geração de valor através de iniciativas operacionais e digitais, como a integração de estoques entre os canais e os lançamentos dos apps das marcas; além de (iv) outras opcionalidades, como a Farm Global, que vem entregando bons resultados e ganhos de sinergias com as aquisições concluídas recentemente, como a NV. Além disso, continuamos esperando uma dinâmica de resultados de curto prazo sólida, com a gradual flexibilização das restrições de mobilidade acontecendo e o setor de vestuário sendo um dos principais beneficiários da recuperação econômica após o fim da pandemia da Covid-19. Por fim, vemos riscos positivos com a combinação de negócios anunciada no dia 26 de abril com a Hering.
    Preço-alvo: R$ 17,00
    Preço hoje: R$ 16,10

  • Vulcabras (VULC3): Temos uma visão positiva para a empresa, sustentada por: i) Foco no segmento esportivo com marcas reconhecidas: com a recente aquisição do licenciamento da Mizuno em 2020, a Vulcabras amplia seu portfólio de marcas, que já contava com o licenciamento da Under Armour, adquirida em 2018, e Olympikus, marca própria e também líder em vendas de calçados esportivos no Brasil. Em 2020, a empresa também licenciou a Azaleia (marca de calçados casuais femininos adquirida integralmente pela Vulcabras em 2007) para a Grendene. Com isso, a Vulcabras se consolida como a maior gestora de marcas esportivas do país; ii) Crescimento de margens impulsionado por um ambiente de preços mais racional: os recentes movimentos ocorridos no setor (tal como a venda de licenciamento da Nike e Under Armour para Centauro e Vulcabras, respectivamente), devem trazer um ambiente competitivo mais benigno, dada a preocupação dessas marcas com rentabilidade. Também acreditamos que a aquisição da Mizuno deve contribuir para incremento de margens dado o maior ticket médio dos produtos e sinergias no processo de produção.
    Preço-alvo: R$ 12,00
    Preço hoje: R$ 10,54

Diversificação Setorial

Abaixo, veja como está a distribuição dessas empresas de acordo com os setores que compõem o Ibovespa (% peso):

  • Financeiro - 25%
  • Materiais - 20%
  • Energia - 12%
  • Bens de consumo - 10%
  • Consumo discricionário - 9%
  • Industrial - 7%
  • Energia e Saneamento - 6%
  • Saúde - 4%
  • Tecnologia - 1%
  • Comunicação - 1%

O que mudou do mês passado para cá?

Como já dito anteriormente, a XP tirou da carteira as ações da Lavvi (LAVV3) e acrescentou as da Bemobi (BMOB3) e as da Vulcabras (VULC3).

A explicação dada a saída da Lavvi foi a de que apesar de continuarem acreditando na ação a longo prazo (recomendação de compra e preço-alvo de R$11,50/ação), a XP também acredita que as notícias sobre a alta da inflação de custo de materiais (INCC) e o consequente impacto nas margens e rentabilidade da companhia deve impactar negativamente as performances das ações no curto prazo.

Em relação à entrada da Bemobi, a XP aponta que a companhia está bem posicionada no mercado de serviços móveis que estão em expansão acelerada nos mercados emergentes. Além disso, a casa de análises acredita que ela tem um bom modelo de negócios, um forte perfil de crescimento e a oportunidade de crescer por meio de fusões e aquisições, além de uma valuation atrativo com opcionalidades adicionais que podem levar para uma forte reavaliação de múltiplos.

E por fim, sobre a entrada da Vulcabras, a XP declarou que a visão positiva para essa empresa é sustentada por seu fogo no segmento esportivo com marcas reconhecidas: com a recente aquisição do licenciamento da Mizuno em 2020, de forma que ela esta apliando seu portfólio. Além disso, ela é dona da Olympikus, tem o licenciamento da Under Armour e licenciou a Azaleia para a Grendene, consolidando-se como a maior gestora de marcas esportivas do país. A XP destaca ainda que o ambiente competitivo dela, em função de movimentos recentes, tende a ser mais benigno.

A performance do Top Small Caps

Veja abaixo a tabela da performance da carteira da Small Caps da XP nos últimos 12 meses:

Histórico Desde início Últimos doze meses Desde 2021 jun-21 mai-21
Carteira XP 15,5% - - 6,9% 8,1%
IBOV 6,6% 33,4% 6,5% 0,5% 6,2%

E aí, gostou desse artigo? Então compartilhe nas suas redes sociais!