Investir em criptomoedas na maioria das vezes é associado à compra das moedas digitais, principalmente do bitcoin que ganhou fama pelo mundo e veio se valorizando nos últimos anos. Entretanto, por causa da tecnologia unida ao mercado financeiro, existem hoje outras formas de se investir em criptoativos, como é o caso dos fundos de investimentos.

Apesar de exigirem ainda mais pesquisa e estudo, pois contam com muitos detalhes, os fundos de investimentos focados em criptomoedas mostram-se como alternativa para quem busca investir nesse segmento e assim diversificar a carteira.

Além disso, nos fundos os investidores, em especial os iniciantes, podem contar com gestores experientes, que ficam responsáveis por monitorar os recursos aportados. Entenda abaixo como esses fundos de investimentos (ETF) funcionam, bem como conheça os ativos focados em criptomoedas listados na B3 em 2022.

O que são Fundos de Investimentos?

Um fundo de investimento é um ativo que conta com recursos (dinheiro) captados de investidores, tanto pessoas físicas quanto jurídicas, com a finalidade de usar esse dinheiro para aplicação em títulos e valores mobiliários e assim obter ganhos no mercado financeiro para todos os envolvidos.

Nesse cenário, os investidores são chamados de cotistas que concordam com a aplicação de seus recursos nos ativos que o gestor do fundo escolher. Mesmo investidos, os recursos continuam sendo dos cotistas, que têm direitos a ganhos na proporção de seus investimentos.

Para tanto, o fundo é criado como se fosse um condomínio, cujo patrimônio é dividido em cotas. Existem vários tipos de fundos de investimentos no mercado financeiro, inclusive na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), desde focados no setor imobiliário até mesmo em criptomoedas.

O que são ETFs?

Antes de mergulhar nos fundos de criptomoedas, é preciso que você entenda como esses ativos específicos funcionam. Os fundos de índices, tradução para Exchange Traded Funds (ETF) são um tipo de fundo de investimento criado com objetivo de investir em uma carteira de determinados ativos, que podem ser ações ou qualquer outro índice de referência autorizado a operar.

Por sua vez, esses índices funcionam como indicadores de desempenho de uma relação de ativos.

Um exemplo prático disso é o famoso Ibovespa (IBOV), o principal índice da bolsa de valores brasileira, que retorna o desempenho das ações mais negociadas na B3. Existe, inclusive, um ETF que replica a variação do IBOV atualmente.

Em suma, os ETFs são fundos de investimentos que acompanham algum índice, que pode estar ligado a vários tipos de ativo, como ações de empresas e criptomoedas. Dessa maneira, ao investir em um ETF, o cotista passa a deter participação indireta no resultado de todos os membros do índice, sem precisar comprá-los separadamente.

Criptomoedas: conheça os fundos de criptomoedas (ETF) negociados na B3 em 2022

Os fundos de índices (ETFs) de criptomoedas são relativamente novatos na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), pois passaram a ser listados em 2021 no país, trazendo uma nova forma de investir para os brasileiros.

O primeiro fundo (ETF) de criptomoedas da B3 foi o HASH11, que estreou no dia 26 de abril de 2021 e segue entre os mais negociados atualmente. Confira abaixo todos os 10 ETFs de criptos negociados na B3 em 2022:

Fundos de criptomoedas (ETF) da B3
ETF Nome de pregão Segmento Volume Negociado
(R$ milhões) 2022*
HASH11 HASHDEX NCI Criptomoedas 4.461,8
ETHE11 ETHER HASH Criptomoedas-Ethereum 486,6
QBTC11 QR BITCOIN Criptomoedas-Bitcoin 454,0
BITH11 BITCOIN HASH Criptomoedas-Bitcoin 391,2
QETH11 QR ETHER Criptomoedas-Ether 343,2
DEFI11 DEFI HASH Criptomoedas-DeFi 63,9
QDFI11 QR DEFI Criptomoedas-DeFi 28,8
WEB311 SMART HASH Criptomoedas-Smart Contract 20,6
NFTS11 INVESTO NFTS Criptomoedas-NFTs 8,9
CRPT11 CRIPTO20 EMP Criptomoedas 2,7
*Balanço mensal divulgado pela B3 em junho
Créditos: B3 e Poupar Dinheiro.

Maiores ETFs de criptomoedas da B3 hoje

Perceba acima que os ETF de , historicamente, os três maiores ETFs de criptomoedas em volume negociado da B3 . Conheça eles abaixo:

1.HASH11: o maior fundo de cripto no Brasil

O HASH11 (HASHDEX NCI) foi o primeiro ETF de criptomoedas a estrear na bolsa de valores brasileira (B3) e atualmente é o fundo mais negociado no Brasil nesse segmento. Em 2021, o montante atingiu R$ 11.074 bilhões, segundo o balanço da B3. Até junho de 2022, ou seja, no primeiro semestre, a movimentação ultrapassava R$ 4.461 bilhões.

A gestora desse ETF chama-se Hashdex e o fundo replica o Nasdaq Crypto Index (NCI), índice que busca refletir o movimento global do mercado de criptoativos na bolsa de valores brasileira (B3). Dessa maneira, o nome de pregão faz referência a gestora e índice. Dentre os ativos ligados ao fundo estão bitcoin, ethereum, litecoin e chainlink.

O fundo é destinado a investidores em geral e conta com patrimônio líquido acima de R$ 1,25 bilhão, tendo mais de 125 mil cotistas. Hoje o HASH11 tem cotação de cerca de R$ 22,00, mas acumula, entretanto, uma desvalorização de 55.86% desde a estreia na B3.

- Saiba mais sobre o HASH11.

2.ETHE11: o maior ETF de Ethereum no Brasil

O ETHE11 (ETHER HASH), por sua vez, é essencialmente focado em ethereum e performa como o segundo maior ETF de criptomoedas da B3 em volume negociado, que em 2021 somou R$ 1.019 bilhão. Já no primeiro semestre desse ano, o total é de R$ 486,6 milhões.

A Genial Investimentos, que tem parceria com a Hashdex, listou o fundo em 18 de agosto de 2021. O índice de referência é o Nasdaq Ether Reference Price, sendo que o fundo tem exposição total ao ethereum cuja cotação ultrapassa R$ 8 mil.

Esse fundo de índice é aberto a todos os interessados. Segundo os dados, o patrimônio líquido totaliza R$ 101,5 milhões em 2022 e a cotação gira em torno de R$ 26,00. Desde a estreia na B3, as cotas do fundo caíram 47,14%.

- Saiba mais sobre o ETHE11.

3.QBTC11: o maior ETF de Bitcoin no Brasil

O QBTC11 (QR BITCOIN) é, atualmente, o terceiro maior ETF de criptomoedas da B3 bem como é o maior fundo de bitcoin no país. O boletim mensal mostra que em 2021 o volume negociado foi de R$ 949,4 milhões, já no primeiro semestre de 2022, é de R$ 454 milhões.

A QR Capital é a gestora do QBTC11, que replica o índice CME CF Bitcoin Reference Rate, o mesmo usado pela maior bolsa de derivativos do mundo, na B3 desde junho de 2021 e foi o primeiro fundo 100% de bitcoin na América Latina.

As cotas do QBTC11 podem ser compradas por qualquer pessoa interessada e hoje acumula patrimônio de R$ 128 milhões. Após avanço de 78,57% no ano de estreia, agora em 2021 o QBTC11 apresenta queda acumulada de cerca de 55,5% aos R$ 7,85 hoje.

- Saiba mais sobre o QBTC11.

Como investir em ETF de criptomoedas e quanto custa

Os ETFs (Exchange Traded Fund) são fundos de investimentos negociados na bolsa de valores brasileira (B3) em cotas. Dessa maneira, para investir neles é preciso primeiro ter conta em alguma corretora, que é uma plataforma de investimento.

Depois de escolher a corretora e o ETF de criptomoedas desejado, basta enviar dinheiro para a plataforma, depois acessar o aplicativo/home broker, pesquisar pelo ativo desejado (nome de pregão ou código) e por fim inserir a quantidade de cotas desejada.

Os custos em investir em ETFs de criptomoedas vai depender do fundo escolhido e quantidade de cotas desejada, bem como das taxas e impostos envolvidos no investimento.